9.7.12

Tejo

















Dás-me Tejo, o viver!
Dou-te Tejo, o amar-te.

As tuas gaivotas rodopiam
sobre as fainas tagarelas
dos que vezes sem conta te procuram
lançando-te angustiadas pedinchelas
retribuindo tu com o dar.

Corres indiferente mesmo que bulícios entranhados
nos carreiros de gentes
que ao teu lado calcorreiam caminhos separados.

Fragatas e canoas te cruzam
os cacilheiros te percorrem,
os operários te atravessam
as mulheres te apregoam
enquanto os poetas te cantam.

O vento te revolta o estado
o sol te aquece a cor
a melancolia te transforma em fado.

Dás-me Tejo, o viver!
Dou-te Tejo, o amar-te.

Sem comentários:

Enviar um comentário